Tratamento

A maioria das células cervicais anormais irão desaparecer espontaneamente, sem tratamento. Por vezes, quando não desaparecem ou quando as alterações são graves, as células cervicais anormais devem ser removidas, por forma a não haver progressão para cancro do colo do útero. Existem vários métodos de tratatmento disponíveis.

Crioterapia

Na crioterapia, uma pequena placa de metal é arrefecida até ficar congelada e, depois, colocada no colo do útero para congelar as células anormais. A crioterapia pode ser realizada em consultas de ginecologia, em regime ambulatório. Quase não provoca dor e, em regra, não precisa de um anestésico local.

Laser

Neste procedimento, é usado um laser para aquecer as células anormais, de modo a que estas se evaporem. A terapêutica por laser é, em regra, realizada nas consultas de ginecologia, em regime ambulatório. Recorre-se a um anestésico local porque provoca dor.

Diatermia com ansa

A diatermia com ansa (também chamada LEEP ou LLETZ) é o tratamento mais simples e mais usado hoje em dia. Este procedimento envolve o uso de uma pequena ansa metálica, que é aquecida por electricidade, para remover as células anormais. A diatermia com ansa pode ser feita numa consulta de ginecologia, em regime ambulatório. Recorre-se a um anestésico local porque provoca dor.

Biópsia em cone

Uma biópsia em cone é usada para remover as células anormais, cortando, no colo do útero, um fragmento de tecido com a forma de um cone. Isto pode ser feito recorrendo a uma ansa metálica (consultar diatermia com ansa), ao laser ou a uma faca especial. Este tratamento pode ser feito com um anestésico local ou com anestesia geral. Se se recorrer a anestesia geral, pode ser necessário ficar uma noite no hospital.